Recomendação!

Galera, estou muito feliz com o post da Ana Caroline de França do blog @olheinorodape que postou em seu blog super fofo e meigo uma recomendação do #Estação. Isso mesmo, abri o twitter do blog agorinha e me deparei com o tweet dela. Fiquei super feliz e quase surtei aqui em casa (rsrsrs).
E retribuindo o gesto dela, quero muito que vocês visitem o blog dela também, que é muito simpático e meigo, além de ter um visual totalmente delicado (que eu simplesmente amei). Eu com certeza voltarei mais vezes!!

Clique na imagem abaixo para visitar o blog dessa doçura de menina ❤

Sem título
por @ninichristie

Resenha: Para Sempre – Alyson Noël

Para Sempre
Ever é aquela famosa garota americana dos livros que perdeu os pais em um acidente trágico e que depois a vida muda. Foi sempre aquela fantástica garota que participava de tudo, que tinha namorados lindos e era popular, até o dia do acidente que matara praticamente toda a sua família. Após o acidente, Ever ganha poderes, mas não qualquer poder, ela pode ver a aura das pessoas e ler suas mentes, além de saber toda a vida intima de uma pessoa com apenas um toque.
Este é o primeiro volume da série Os Imortais da autora Alyson Noël.

ATENÇÃO: SPOILERS

Este livro vem me chamando a atenção desde há alguns anos atrás quando uma amiga muito próxima me mostrou e me contou que era fantástico, fiquei encantada com ela e minha curiosidade aumentou depois que ela parou no terceiro livro e não leu mais. Fiquei me perguntando por quê se o livro era tão bom e resolvi tê-lo em minha coleção digital e arriscar que a obra de Noël era realmente incrível.
De inicio gostei muito do livro, é o típico garoto eterno e bonitão (Damen) que dá as caras em uma escola por causa de uma garota que não está interessada nele ou tenta se convencer de que não. Gostei desse clichê até Ever começar a ser muito dramática e ciumenta, querer saber de tudo e se meter em tudo. Quer dizer, qualquer garota pode ser assim, não quer dizer que é feio ou errado, mas eu achei o livro maçante por causa da Ever ser assim, e não daquele jeito legal em livros que mistura preocupação e parece ser mais divertido. Enfim, a autora descreveu uma adolescente normal e talvez essa fosse a ideia mesmo. Simples, não gostei da obra e ponto, não da pra falar mais que isso.
Mas então, por que quis chegar ao fim se no meio já perdi o interesse? Por que simplesmente não consigo ficar sem terminar um livro e isso é só minha opinião, outros podem gostar e em partes o livro é divertido e legal, ainda mais com o melhor amigo gay de Ever, Miles, que faz o livro ter um pouco mais de humor e entonação. O que quero dizer com isso é que, por eu não ter gostado do livro outras pessoas podem se perguntar se é ruim mesmo ou chato e podem acabar lendo e gostando. Quantas vezes isso não acontece com todos os leitores, sei la, do mundo? Vive acontecendo comigo e é por isso que não abandonei e resolvi #resenhar por aqui.
Voltando ao fio da meada. Temos vários personagens, várias verdades reveladas, Ever de saco cheio de ler mentes e ver tudo colorido, a menina se culpa pelo acidente que levou a família à morte e odeia ser ela mesma naquela vida de se esconder em um capuz e fones de ouvido. Aprontou algumas no livro como beber vodka pra afastar os pensamentos de outras pessoas dos seus próprios (isso também achei interessante, me surpreendeu), também invadiu a casa de Damen para descobrir verdades e ajudou sua irmãzinha morta a seguir em frente, já que podia vê-la a todo momento e conversar com ela.
Também temos Drina, como uma boa vilã, nem tão boa assim. Desde o começo, desde a primeira vez que a vimos já sabíamos que era ex do Damen, que ela iria aprontar, e principalmente quando se aproximou dos amigos de Ever, que iria usá-los a bel prazer para chegar até Ever. Mas tudo o que ficou foi só o pó dela quando Ever conseguiu matá-la. Gente, imortal morre? Por que ela era imortal com explicações óbvias no livro que não impressiona ninguém e a Ever conseguiu matá-la socando ela no coração. Tipo até legal a explicação dela morrer com um soco no coração por que era egoísta, não tinha amor verdadeiro e tal, mas não achei coerente nenhuma explicação que Damen deu em questão da imortalidade inventada por ele e sua família.
Enfim, o livro de todo não é ruim, a autora também não, ela escreve muito bem, e dei motivos para não ter gostado do livro. Também li comentários em alguns grupos de leitores e escritores que o livro não é tão bom assim e realmente a história é um pouco fraca e clichê, mas não posso garantir isso nos próximos volumes (que não irei ler). Mas encorajo a vocês lerem caso sintam-se curiosos assim como eu, nenhuma leitura é perca de tempo, quanto mais lemos mais nossa imaginação aflora, mais nos tornamos ricos e é esse o lado bom de cada estória que podemos ler, nos encontrar em milhões de linhas e palavras que muitas vezes condizem com a nossa realidade.

P.S: Não me odeiem por isso rsrsrs @ninichristie

Resenha: Sussurro – Becca Fitzpatrick

Capa_Sussurro_300dpi

Nora Grey é uma jovem que perdeu o pai há um ano vem se sentindo estranhamente como se alguém a seguisse e sempre assustada e em alerta resolve saber mais. Equando um estranho colega de turma de péssimas notas que nunca frequentou a escola de repente se torna tão próximo, Nora começa a estranhar e resolve investigar junto de sua amiga. Mas Nora sente que apesar das duvidas sobre Patch e do inicio de romance que parece existir entre eles que ela pode confiar no rapaz. Mas ela mal sabe os segredos que rondam o passado de Patch e o que os acontecimentos frequentemente bizarros em sua vida e pessoas novas podem estar interligadas umas as outras como correntes. Nora precisa descobrir o que está acontecendo e por que ela é o alvo de toda a confusão que tem feito parte.

ATENÇÃO: SPOILERS

large

É interessante o estranho mundo de Nora Grey e como ele tem continuidade em seu estranhamento quando o jovem Patch Cipriano resolve fazer parte da sua vida, inicialmente gostei muito do livro não pela sua complexidade em achar o culpado que esta atentando Nora com bizarrices inexplicáveis, mas o romance entre Patch e Nora que ao mesmo tempo em que parece certo é tão incerto com milhões de duvidas sobre o rapaz e o por que dele parecer tão assustador ao ponto de vista da personagem principal. Um ponto forte do livro, em minha estrita opinião são as deixas, as pistas, mas tudo parece ocorrer tão rápido no final que pareceu que a autora estava apressada em terminar o livro e ele pararia por ali  mas ambos sabemos que há continuação em outros volumes. Inicialmente até pensei que seriam contos, para tentar justificar essa pressa da autora no final de Sussurro, talvez tenhamos mais surpresas pela frente, mas esse foi um ponto do livro que me deixou pouco a vontade, mas apenas um ponto negativo dentre tantos positivos.
Por exemplo, amei que Jules morreu, mas achei que ele seria um vilão mais assustador e persistente, se provou fácil de matar e eu nunca suspeitava inteiramente dele, quer dizer, parecia que estava envolvido, e isso a autora deixou bem escuro para que pudessemos tirar nossas proprias conclusoes durante a leitura ate o final da obra onde ele se mostrou e sem ocultar detalhes.
Becca com certeza caprichou neste primeiro volume mesmo parecendo não ser a ponta de um grande iceberg e espero me surpreender nos próximos volumes da série Hush,Hush. Talvez Nora até descubra um pouco mais de si mesma e do que ela representa, como ajudar Patch a se tornar humano e a concretizar seu sonho. O que eu espero muito, por que não engoli toda aquela historinha de anjo da guarda e esperava mais dele também na luta no ginásio com Jules. A todo momento estive me perguntando por que Patch estava ali e não estava fazendo nada, mas em todo o resto com certeza adorei a obra de Becca e não esperava menos de Sussurro.

You’re the one that I want

Eu achei que ele fosse estar aqui e me dar todo o apoio que eu precisava, que eu merecia, mas não, ele nunca esteve aqui, na verdade. Na verdade, ele não é você e eu preciso parar com esse incessante e constante costume de te procurar em todos com quem me relaciono, Rick. Não há ninguém como você, não há ninguém que tenha os mesmos olhos azuis infinitos e tão profundos quanto todo o oceano. Não há ninguém Rick que me entenda tão perfeitamente como você e não há momento em que eu não me arrependa do mal que te fiz quando tudo começou. Não há ninguém que tenha uma mão tão forte quanto a sua que seja capaz de me levantar quando estou caída ao chão tentando respirar. A verdade é que sempre vou te amar, mesmo se eu estiver com outra pessoa, em outro lugar, a verdade é que sempre será você, sempre.

Um tributo ao anjo que me salvou há 5 anos atrás. #ninichristie

Desconstrução

Fico procurando mil frases para definir tudo aquilo que não consigo entender. Talvez alguém nos escute quando os sussurros da chuva começar a diminuir e o tempo frio e nublado se dissipar ao calor de uma mão sobre a outra.
Compreensão, eu vivo numa bolha, simplesmente cercada por pessoas que estão dispostas a me tirar dela, mas essa falta de demonstrar de minha parte me mantém, ainda, dentro dela e eu não sei como eclodi-la. Não sei como dizer em voz alta tudo aquilo que não consigo expressar diretamente, mas talvez seja óbvio por uma risada ou um olhar, uma mensagem simples que pode ser repassada e entendida que eu estou aqui e estou prestando atenção e escutando cada entonação.

Find Passion

Os olhos, eram dos olhos que ela mais gostava, os olhos lhe diziam tudo, histórias, dores, amores, lembranças; era a passagem secreta para o coração. E assim que ela acordou e viu os olhos dele sob os teus ela se apaixonou ainda mais, pois eram dois globos de um mel escuro que brilhavam, que ardiam e eram esses olhos que ela procurava em tantas multidões que já caminhou. Ela finalmente havia encontrado o tipo certo de olho a ser desenhado. Eram os olhos dele, olhos que sorriam.

Resenha: A Escolha – Kiera Cass

A-Seleção-A-Escolha-Kiera-Cass

Eis que chegamos a mais uma resenha e não poderia ser outra senão o terceiro volume da trilogia A Seleção.

Neste terceiro livro a disputa entre as garotas está cada vez mais acirrada, poucas delas sobreviveram a seleção restando apenas 6 competidoras que aos poucos vão se desintegrando. Com ataques rebeldes mais que frequentes, agora não só ao palácio, mas as famílias das garotas por ordem de castas começa a por uma grande ameaça ao jogo e agora America precisa tomar sua decisão tão adiada e acuso enrolada durante todos os 3 livros, além de ter se tornado a candidata mais improvável a se casar com o príncipe Maxon por suas atitudes totalmente inconsequentes.

Para piorar tudo, o rei começa a detestar America por tais ações e testá-la durante todo o trajeto final e agora ela não só precisa passar por todas as provações do rei e da elite, deixar Aspen para trás, como também deve conquistar o povo de Illéa e reconquistar a confiança do príncipe.

ATENÇÃO: SPOILERS

Ok, agora vamos ao principal de toda essa conversa sobre A Seleção. Acabei me apaixonando pela trilogia apesar de ser confusa a época em que se passa, e realmente torci muito para que America ficasse com Aspen mesmo sabendo que era impossível e no fim, olha só: ele ficou com a criada da America. Lucy, aquela garota super doce e chorona do livro todo. Também fiquei desejando que o rei fosse se danar e não entendi por que muita gente (do livro é obvio) achou as ideias de America como abolir o sistema de castas erradas, claro que foi um grande escândalo em rede nacional e ela estava de cabeça quente, mas pense na criatividade e nas possibilidades que America criou para isso.

Outra cena que me chamou muita atenção foi o capítulo que as candidatas tiveram que julgar alguns homens por crimes menores e America mais uma vez foi testada pelo rei que colocou a sua frente um homem pobre que roubou nada mais do que algumas roupas para sua família e estava sendo condenado enquanto vivesse por um crime pequeno. America pensou e colocou nas mãos do homem todas as joias que possuía em seu corpo e pediu que pagasse a dívida com o rei. Achei o maior ato heroico e ao mesmo tempo a percepção de justiça que America teve simplesmente incrível, apesar de que já era esperado algo do tipo.

Porém, a cena que mais me emocionou de verdade foi quando o pai de America morreu, eu chorei junto com ela (acreditem), e é nessas horas que começamos a pensar que não queremos perder alguém como um pai ou uma mãe, ainda mais sendo um deles próximos a nós, como aconteceu com America, seu pai era seu melhor amigo, quem mais a entendia e botava fé na garota (rsrsrs). Ela foi forte até o fim e teve inclusive uma postura mandona de rainha com seu irmão Kota, que em minha sincera opinião mereceu todos os foras que ele tomou de America.

Por fim, temos Aspen e America que finalmente se decidem que não vão ficar juntos, o que eu acho incrível por que foi Aspen que tomou a iniciativa e rolou até um abraço (hahaha) só que eu literalmente fiquei pretérita e com medo por America quando Maxon, após passar uma noite com ela acaba flagrando a cena e pensa em ter sido traído.
Maxon finalmente mandará America pra casa e escolherá outra candidata, mas quando a cerimônia para revelar quem será a futura esposa de Maxon é invadida por rebeldes… eu fiquei pretérita e inclusive triste quando Celeste tomou um tiro na cabeça com toda essa reviravolta. Ok que ninguém, sim, ninguém mesmo deveria gostar dela durante todas essas páginas, mas no final ela até se mostrou uma pessoa realmente profunda e interessante, uma pessoa que vivia atrás de uma máscara com sentimentos e expectativas.
Logo após as coisas mudam novamente: Maxon pede a Aspen que salve America e há uma breve declaração entre os dois, as horas passam para America em algum esconderijo, preocupada com todos com quem gosta no palácio e após ser libertada do esconderijo sua maior preocupação: Maxon está vivo?
Aposto que as leitoras também sentiram o coração parar e voltar a funcionar assim que America descobriu que sim, Maxon estava vivo.
Aspen também havia se machucado e andaria um tempo de bengala, além disso uma das criadas de America, a mandona Anne fora morta e uma grande surpresa para o final: America não seria a princesa, mas sim a rainha, já que agora Maxon perdera seus pais no ataque rebelde (achei pouco para o rei, mas fiquei sentida pela rainha Amberly), que por sorte eles venceram com ajuda de novos aliados formados durante A Escolha.

E para finalizar, um grande casamento entre America e Maxon e depois temos um bônus no final que mostra uma grande festa de aniversário para o jovem rei Maxon e uma novidade, America lhe daria um herdeiro.

Toda essa estória de príncipes e princesas, reis e rainhas me fascinaram, toda a coragem de America, a bondade de Maxon e a tranquilidade de Aspen, todos personagens muito bem formulados e realmente achei incrível, Kiera Cass está de parabéns por abrir os poros da minha imaginação, não apenas isso, mas por ser fantástica em seu trabalho!

Espero que tenham gostado!!

Entrelinhas

foto para poesia entrelinhas

Acabou as entrelinhas,
Delas já não vivo mais
Nem devo,
Nem quero,
Não mais.
Escrever é coragem
E poesia é esperança
Na maior forma de demonstrar
O quando é raro alguém que sabe amar sem machucar
Os ferimentos devem se curar
Não mais doer,
Não mais sangrar,
Sem espinhos,
Sem joelhos ralados,
Sem mais me esconder,
Que pra tudo haja um remédio.
Das entrelinhas já não vivo mais,
Agora sou estrela,
Lua,
Livro,
Verso,
Pó,
Não importa mais,
Nas entrelinhas já não me escondo mais.