Locomotiva Literária

Resenha: Play – Kylie Scott

Depois de quase engasgar com a leitura e todos os desafios e sentimentos proporcionados por Lick, já era hora de se entregar novamente a leitura de Play. E vou dizer, fica melhor!!

Na verdade, Play foi o primeiro livro da série Stage Dive que eu li, embora ele seja o segundo volume. Eu nem me lembro direito como conheci esse livro, provavelmente estava xeretando o Kindle e apareceu como recomendação, e como a capa é sexy eu fui logo de cara seduzida, por que não é possível, toda vez que olho para as capas da trilogia, é como se fosse a primeira vez, o primeiro beijo (rsrsrs). Mas explicando um pouco melhor, quando conheci Play eu nem imaginava que se tratava de uma trilogia, e achei incrível que a leitura dos livros seja individual, ou seja, não se precisa ler o primeiro volume para prosseguir logo para o segundo. Então de imediato me apaixonei, isso foi meados de maio ou março, não me lembro agora, e não fiz a resenha antes por que queria ter o livro em mãos para fotos, trechos mais precisos e afins. O que demorou um pouco, pois só fui comprar os livros na Bienal.

play-01

O principal motivo pelo qual Play é meu livro favorito de toda a série deve-se ao fato de que simplesmente sou contagiada pelo o humor de Mal Ericson e a sua relação maníaca com Anne Rollins. Inclusive dei o nome dele para o meu peixe betta 😀

A história do livro basicamente se trata do baterista mais famoso do mundo, Malcolm Ericson que precisa de uma namorada de mentira por algum motivo que o tem agoniado, o que gera preocupações dos caras da banda. Anne Rollings precisa de dinheiro (eu também, gata) por que sua “amiga” que dividia o apartamento a deixou sem dizer nada e do nada. Então, Lauren, a amiga de Ev, e Nate, o irmão de Ev, a convidam para uma festa no próprio apartamento de Ev. E nisso, Mal e Anne se conhecem, Mal fazendo graça, dizendo que vai morar com ela, rolando com ela no chão do nada, falando que ela é sua garota e Anne não acreditando numa palavra sequer. Afinal, estamos falando de Mal Galinha Ericson. E pra varias, Anne é uma grande fã da banda e principalmente de Mal. E para a surpresa da garota, Mal realmente cumpre com a sua palavra e uma história entre os dois começa a se desenrolar.
Temos também o Reece, que é o chefe de Anne, que ela sempre gostou e nunca deu bola pra ela até se deparar com Mal habitando o apartamento da garota. E uma coisa que reparei muito nessas duas ultimas leituras: Kylie adora criar personagens problemáticos, e isso se aplica tanto a personagens femininos quanto masculinos. O que torna a coisa toda especial, por que eles se entendem e convivem juntos, se ajudam e se apoiam a medida do possível. Brigam, mas acima de tudo se amam.

play-02

Dois gatos em uma foto só =^.^=

Muito bem, vamos lá, como eu disse antes, a história é cômica por conta do humor de Mal, ele é sempre alegre, o modo como ele fala é sempre engraçado e o jeito como ele faz as coisas, típicas de um astro. Embora algumas desagradem Anne quando o relacionamento deles começa a ficar mais criterioso, vamos dizer assim. Mal também sempre está fazendo algumas loucuras e, Deus, esse homem é louco, maníaco, doido, tudo o que ele tem direito de ser chamado, além de bom ❤

“Por sorte, a chuva parara de cair. David se aproximou de novo, ajudando Mal a chegar até o Jeep, encostando-o na lateral. Um dos Escalades reluzentes estava estacionado ali perto.

-Cara, onde você colocou a chave? -David perguntou, enfiando a mão nos bolsos de Mal.
-Puxa, Davie. Eu estava guardando isso só pra Anne.
-Não estou interessado no seu pau. Onde está a chave do seu carro?
-Não me entenda mal, cara. Eu te amo, mas não desse jeito.”

Em relação a Anne, eu facilmente consigo imaginá-la, ela é uma garota que trabalha numa livraria, sustenta a irmã na faculdade e tem um grande problema quando se trata da sua mãe alcoólatra, e a todo momento ela tenta superar, perdoar. Anne está em crescimento, ri das piadas e das atitudes de Mal e acima de tudo, se preocupa com ele, tenta arrancar dele passivamente o que o chateia e aos poucos eles vão se entendendo a modo que um saiba que o outro se importa e isso é importante. Anne é forte!

“Que par a gente formava. Às vezes, parecia que precisaríamos de um milagre para fazer aquilo funcionar. Mas o meu costumeiramente precavido coração já estava comprometido.

-Obrigada. -Apoiei a mão no peito dele. -Não precisa se preocupar com Reece.
-Eu sei, eu sei. Ele não é nada comparado com a minha magnificência. -Seus dedos afagaram os meus e os olhos brilharam. -Mas, só por curiosidade, como você se sentiria com o meu nome tatuado na testa?”

E o mais legal de tudo é que, os caras da banda se entendem como família e tanto Ev quanto Anne e até mesmo Lena que é levemente mencionada em Play, fazem parte desta família. E eu começo a imaginá-los realmente como uma família que se entende, q ue não importa as besteiras que façam, ninguém vai ligar e vai simplesmente rir e pensar: é assim mesmo, é exatamente assim que fazemos. Então, Play nos traz mais um pouco da familiaridade e é como se fosse uma porta aberta para nos sentirmos em casa.

“Mal e David passavam bastante tempo juntos, já que Ben e Jimmy iam e vinham entre as casas deles e os nossos apartamentos. A família Stage Dive nunca sequer piscou com a minha inclusão, algo pelo qual sou extremamente grata.”

Querem mais pontos positivos? Então vamos lá!

Além da capa #hot, aliás, hot de todos os livros, criativa, chamativa e linda, as páginas tem uma textura fina, levemente amareladas, a leitura é carregada de bom humor, é rápida e fácil. São 319 páginas de perdição, alcança todas as expectativas, e como dito na resenha de Lick, que garota nunca sonhou se ver com seu astro do rock? Então é delirante, emocionante e Kylie trabalha muito bem quando se trata em escrever e descrever, essa mulher não tem vergonha e nem pudor! Acho ótimo!

Um único pontozinho negativo que me incomodou durante toda a leitura é que os cabelos de Anne são descritos com tom de cenoura. Na tradução livre do pdf que li no começo do ano, Mal a chamava de Abóbora (o que faz mais sentido) e na tradução da editora ele a chama de Moranguinho (o que não faz sentido nenhum). Então, isso me incomodou muuuuito e toda vez que lia Moranguinho eu automaticamente corrigia a editora, mas nada com que eu não possa conviver ou sobreviver. Esse livro pra mim ja é 5 estrelas e com certeza o leria de novo, é um dos livros dos quais nunca vou enjoar e recomendo. Então leiam, essa leitura é obrigatória aos meus leitores ❤

E, antes que eu finalize esta resenha, uma música ao nível de Play (pra quem gosta) para acompanhar na leitura:

♠ ♠ ♠

De praxe, um grande beijo pra vocês que tem acompanhado todos os nossos posts aqui, um bom restinho de semana :*
Caso eu dê uma leve sumida é por que meu computador está dando pane e não concertei, mas não deixem de esperar por mais, estamos aqui. Vocês podem interagir comigo e com os outros colunistas pelo nosso twitter, nosso instagram e a fanpage do facebook ❤

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s